Vou na certeza de que vale a pena o pouso. …..

PROMESSA É DÚVIDA!

 A gente não tem jeito mesmo. É só começar o ano e está às voltas com problemas que arruma distraidamente, ou de maneira consciente, o que não faz diferença alguma. Por que fui dizer a Isolda que escreveria uma crônica para seu (belíssimo) site para falar desse ano que agora rompe? Pois agora estou há alguns dias buscando palavras para transformar em emoções, fazer com que sejam significativos todos os significantes deste texto.

Isolda é amiga nova, conhecida em ambiente igualmente novidadesco para mim, o Gabinete. Quem me levou até lá foi a Cleo, um desses acasos que os caprichos da vida nos promove e transforma em coisa boas. Mas vamos lá. Estou em Assaré, cidade bastante conhecida em função de uma voz marcante da poesia brasileira, considerada capital nacional da poesia popular, terra de Patativa.

Vejo fotos de Isolda em companhia de seus filhos, ao redor de algumas quintas portuguesas enquanto passeio pelos quintais nordestinos por onde tenho visitado alguns rincões maravilhosos de nosso país. Pratico certo turismo literário.

Estive em São Luis, Alcântara e Caxias, no Maranhão, de onde desci para a região do Cariri, no Ceará. Volto para casa com a vontade de ler Josué Montello, autor de quem li apenas O Baile da Despedida. Quero saborear Noite sobre Alcântara e Os Tambores de São Luis, depois desta viagem. Mas também pretendo voltar à poesia gonçalvina depois de conhecer um pouco da histórica Caxias, local onde ainda se abraça a obra de Coelho Neto, filho da terra que também gerou a Salgado Maranhão, poeta que leio desde o final dos anos 1980 e não havia atinado ainda para sua naturalidade.

Do Cariri, pouco explorado (eu voltarei!) levo o coração repleto de saudade do Patativa, de sua poesia eternizada pelos cordéis e amplitude da voz de seus intérpretes que se espalham por todo o Brasil. Assaré é um pedaço de chão abençoado pela literatura. Preserva a vida e obra de seu poeta em um belo Memorial e tem uma biblioteca pública singela, acervo relativamente bom para o tamanho da cidade, em cujas prateleiras encontram-se presentes autores nacionais e internacionais de grande importância e atualidade. O cantinho dedicado ao seu poeta é humilde, mas contém um conjunto aprazível de sua obra.

Sigo daqui para Nova Olinda, município próximo, vizinho, na expectativa de conhecer um pouco mais da região. Cidade um pouco menor, mas considerada como das mais vocacionadas para o turismo de todo o Ceará. Vou na certeza de que vale a pena o pouso. Quem sabe passo por aqui de novo a mode dá um dedinho de prosa? Promessa, dizem, é dúvida, nesse caso, nem eu mesmo sei…

 

Luiz Renato de Souza Pinto é professor do Instituto Federal de Mato Grosso, em Cuiabá. Autor de Matrinchã do Teles Pires (1998), Flor do Ingá (2014) e Duplo Sentido (2016), este último em parceria com o pernambucano Carlos Barros. Viaja pelo Brasil com recursos próprios, sem apoio institucional de natureza alguma.

Isolda Risso
Isolda Risso

Mãe, Empresária, Cronista, Coach de Vida , Design de moda e acessórios, observadora do comportamento humano. Um Ser humano mutável e processo de evolução !

Sem Comentários Ainda

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado.