Fé… a luz que guia,que conforta e ampara.

Por muitos anos eu senti um profundo desconforto, me sentindo mal e não tenho vergonha em confessar que sentia uma “invejinha” das pessoas que tinham fé.

Nas conversas com o meu travesseiro, eu sempre pedia á Deus que me desse a graça de ter fé. Eu desejava orar ardentemente, sentir emoção aos pés da imagem do Cristo ou da Virgem Maria.

Eu queria ter a disciplina de todas as manhãs ao acordar e todas a noites antes de adormecer, me dirigir ao Pai e orar fervorosamente. Mas raramente conseguia, raramente consigo.

Disciplina sempre foi um desafio para mim, ela tem cara de monotonia e monotonia não é minha praia.

Certa feita, minha analista me disse: “você é uma alma rebelde ” o que eu discordei veementemente.

Outra ocasião, conversando com um amigo bem próximo que crê na reencarnação, e lá pelo meio da conversa ele solta: ” se você não tivesse nascido na família que nasceu, se não tivesse os pais severos que teve, com certeza você teria perdido a reencarnação, você é um espírito rebelde”. Mais uma vez discordei, claro.

Os anos…ahhhhhhh os anos, impossível negar que o tempo é sábio e o dono da razão.  Depois de tantos anos daquele dia no divã da minha analista e da conversa com meu amigo reencarnacionista, eu me curvo diante da verdade que eles, com as devidas experiências, sabiamente me adiantaram : “sim… sou um espírito rebelde, se pudesse me jogaria no mundo e viveria um dia de cada jeito, sem compromisso com nada que não fosse minha única e exclusiva vontade”.

Aquele vazio, aquela vazio, aquele sentimento de inadequação que eu sentia pela falta da fé passou.

Depois de anos e anos, buscando-a eu cheguei a conclusão que eu sempre fui uma pessoa de fé. O tempo, bondoso  e paciente,  me mostrou que eu tinha um conceito equivocado do que é fé.

Hoje eu entendo, que  fé é acreditar na vida, acreditar que por pior que a situação se apresente dura, difícil , nebulosa e quase impossível de ter um bom desfecho, acreditar que o que acontecer será sempre o melhor.

E foi por essa linha que conclui que sempre tive fé, afinal em todos os momentos da minha vida, os piores momentos, bem lá no fundo do meu coração, tinha uma voz que me falava: ” calma, tudo sairá bem ” e eu me acalmava, acreditava e aguardava.

Nem tudo saiu como desejei, tive perdas, muitas perdas, dores, dificuldades, mas hoje do alto dos meu anos, agradeço por todas elas, afinal todas me fizeram ser melhor.

Ainda não tenho a disciplina de orar todos os dias, de orar e chegar as lágrimas de emoção,  mas em todos os momentos desafiadores que eu com minha humanidade não consigo resolver nem entender, eu levo meu pensamento ao Pai e falo: ” Pai me de sabedoria para aceitar o que for a sua vontade”. 

Não vou negar que as vezes tento barganhar com ele algumas coisas, mas muito mais pelo meu espirito rebelde, afinal, uma vez rebelde, sempre rebelde.

Ainda não desisti de ter o hábito de orar todos os dias, é algo que vou buscar enquanto viver, mas hoje já não brigo mais comigo por esse pequeno deslize.

Um abraço

Isolda

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Isolda Risso
Isolda Risso

Mãe, Empresária, Cronista, Coach de Vida , Design de moda e acessórios, observadora do comportamento humano. Um Ser humano mutável e processo de evolução !

1 Comentário
  1. Fé é isso também, pode crer ! Nem sempre o fato de orar todos os dias, significa fé , as vezes é apenas hábito, que se faz automaticamente ! Certa vez, conversando com uma pessoa extremamente religiosa, disse que não sabia ou não tinha fé ao rezar, e qual não foi minha surpresa quando a ouvi dizer ” Deus sempre sabe quando suas orações vêm de seu coração “, quando naqueles momentos sofridos , elevamos nossos pensamentos à Ele! Boa noite, Isolda! bjs

Deixe uma Resposta

O seu endereço de email não será publicado.