A história nos mostra que períodos de escuridão e conflitos são recorrentes no processo evolutivo do planeta e da sociedade referente a cada etapa.

Se em cada época houve seres que provocaram as guerras, também estiveram presentes aqueles que clamaram e fizeram com que a paz se restabelecesse.

Os opostos são forças inerentes da natureza , assim como o contraditório, ainda esta presente no ser humano.

Quanto a natureza, para que suas forças se mantenham atuando de forma equilibrada, é necessário que o coletivo estabeleça leis que garantam o equilíbrio do sistema ecológico, caso contrário, a desarmonia se instaura e as tormentas se encarregarão das destruições em massa.

Em relação ao contraditório humano, o homem foi, é e será sempre o responsável pelas suas escolhas e consequentemente seu destino.

O crescimento e aprimoramento de cada um é impossível terceirizar.
Com isso, tornar-se luz, iluminando por onde passa ,sempre foi e será sempre uma escolha pessoal.

Beijo no Coração…

Isolda Risso

 

Fazendo uso do dito popular, “a vida é composta de alegrias e tristezas”, as vezes nem sempre equilibradas é verdade, o estado de alegria pode sim estar mais presente em nossas vida. 

Primeiro é importante sabermos distinguir alegria da euforia.

É comum as pessoas terem uma visão distorcida do que é alegria, pois é facilmente confundida com festas barulhentas e divertimentos que provocam um estado de sensações intensas, risos exagerados, que são sensações periféricas e meramente emocionais.

A bem da verdade , não há nada de errado com essas situações, a jovialidade, o bom humor, o riso alto e festivo faz parte da nossa vida, afinal somos seres humanos e vivenciar tais situações colabora para que a aspereza do cotidiano se torne mais ameno.

 Todavia a verdadeira alegria começa quando assumimos o leme da nossa vida em nossas mãos , nos tornando livres e responsáveis para ser quem somos ou quem desejamos ser , desconectados da opinião alheia. Ninguém que se submeta a aprovação de outro pode sentir-se feliz, porque não há alegria sendo escravo de algo ou alguém.

 A alegria não esta somente nas situações externas, como um novo carro, uma viagem, um salário alto, um corpo enxuto, um reconhecimento profissional, um filho, um marido ou esposa. Todas essas nomenclaturas  fazem parte e ajudam muito para que nos sintamos mais alegres, mas definitivamente não são preponderantes para sermos mais contentes e satisfeitos.

 A mídia nos mostra exaustivamente pessoas que conseguiram alcançar os objetivos acima e são profundamente tristes.

Ai brota a pergunta: como sentir alegria vivendo todos os dias com um cotidiano tão áspero ?

 Eu penso que aceitar que a vida é dura já é um bom começo. Aceitando este fato, teremos grandes chances de não nos sentir vitimas nem coitadinhos e que lamentações só nos torna chatos e nada mais. 

A partir dai,  abrimos espaço para olhar ao derredor e enxergar nossas possibilidades de nos felicitar.

  Penso também que desistir dos sentimentos negativos é outra boa escolha.

Você pode pensar : “eu não quero ter sentimentos negativos, acontecem coisas que provocam estes sentimentos “!

Mas você pode escolher  impedir  que eles façam de você a morada deles. É perfeitamente natural que em um primeiro momento brote em nós uma enxurrada de negatividade, mas nas próximas horas ou dias, você já terá tido tempo para refletir o que fazer com tudo isso. 

Crescer, e conquistar uma vida harmoniosa pede de nós mais que vontade, esta vida que almejamos exige trabalho e dedicação cotidiana da nossa parte.

Assim como nós fomos habituados a pensar da forma A ou B, podemos ressignificar este vicio mental.

Se nos acontece aborrecimentos, nos acontece também alegrias, mas como fomos acostumados olhar os ocorridos do dia a dia?

 Se você foi educado(a) semelhante a mim, olhar o negativo será muito mais fácil que o positivo, chega a ser um meio de se precaver, ou seja, olhando o pior lado, estaremos nos protegendo de coisas piores. 

Isso se chama pessimismo, e pessimismo não protege ninguém ,só provoca medo, melancolia, muitas vezes nos deixa inertes e provoca um olhar desbotado diante da vida.

Se algo ou alguém provoca em você tristeza, o que te faz manter o pensamento, a situação ou a pessoa junto de ti ?

 É certo que por vezes quem nos aborrece é alguém familiar, ou um chefe difícil e eu entendo que não é possível sair deletando pessoas que dificultam nosso bem estar.

 O fato de nos tornarmos adultos, não significa que estamos prontos, que nossa estrutura mental esteja definida, principalmente no que se refere ao nosso comportamento. O ser humano é uma espécie em construção diária até o dia da sua partida para a viagem astral.

Uma das boas opções que podemos fazer é a reeducação dos nossos pensamentos e praticar o exercício da substituição e ressignificação do mesmo.

Educar os pensamentos exige o mesmo esforço para transformar  um corpo cheinho por um musculoso. A diferença é que os ambientes que iremos praticar estes exercícios são diferentes.

 Para um corpo musculoso, você se alimenta corretamente, bebe agua em abundância, dorme bem e treina todos os dias.  

Para reeducar nossos pensamentos e emoções, devemos buscar leituras que nos edifique, buscar o autoconhecimento e como já mencionei mais acima; substituir os pensamentos.

 Uma boa prática para sentir-se mais alegre é no momento que surgir um pensamento depreciativo, de tristeza ou melancolia, busque nos seus arquivos mentais afetivos, momentos em que trouxeram alegrias e reviva mentalmente estes momentos. Pode ser um ou dois, não é necessário que sejam muitos ou todos, um já basta para você sair da energia que te infelicita.

 Não precisa ser eventos grandiosos, mas situações em que se sentiu leve, alegre, feliz.

 De repente, comer brigadeiro de colher, assistir um filme, um dia com as amigas(os) uma receita de bolo que acertou, enfim…. a alegria real esta nas situações mais simples, porém muito significativas.

 Beijo no coração.

Isolda Risso

(mais…)

(mais…)

(mais…)

(mais…)

(mais…)

(mais…)

(mais…)

O que é Pragma ?
Na Grécia antiga o amor vestia várias roupagens e entre elas havia um que foi nominado de “pragma” Pragma é o amor maduro, o amor que designava profunda compreensão e que se…